Pai que esqueceu filha no carro vai responder por homicídio culposo

A notícia divulgada há poucos dias sobre a morte de uma menina de poucos meses, esquecida no carro por cerca de cinco horas, chocou a todos.

Diante de um fato desses, paramos para pensar em nossas prioridades, na correria do dia-a-dia e no que podemos fazer para zelar por quem amamos.

Veja detalhes da notícia:

Uma menina de sete meses foi esquecida no carro pelo pai e morreu em Novo Hamburgo. A criança ficou cinco horas trancada no automóvel exposto ao sol. O pai declarou à Polícia que não levou o bebê à maternal no início da tarde, como de costume, porque estava atrasado para o trabalho. Estacionou na frente da empresa, no bairro Ideal, ficou envolvido com as atividades profissionais e só lembrou da filha no final do expediente, ao anoitecer, quando abriu a porta do carro. Deparou com a menina sem sinais vitais e arrancou ao Pronto Atendimento da Unimed, na Rua Tupi, onde entrou correndo com pedidos desesperados de socorro. A criança já estava morta. A mãe, funcionária de outra firma hamburguense, chegou depois e entrou em choque. Pegou a filha caçula no colo e foi amparada pelo marido. “Me desculpa”, disse ele, com a mão no ombro da esposa.

TRAGÉDIA
“Não há justificativa pelo que fiz. Esqueci”, disse o pai à conselheira tutelar Gislaine Pires. Na Delegacia de Polícia de Pronto Atendimento de Novo Hamburgo, orientado pela advogada, ele não prestou depoimento. Acompanhou o registro da ocorrência e foi liberado. “É uma situação trágica. O pai também é vítima, pelo sofrimento”, declarou um amigo da família
COMO ACONTECEU
O hamburguense leva a filha ao médico, por volta do meio-dia, para exames de rotina
Depois da consulta, ele deveria deixar o bebê na maternal, como de costume,mas vai direto ao trabalho com medo de chegar atrasado
Estaciona o carro na frente da empresa, às 13 horas, e corre paraasatribuiçõesprofissionais. A ideia é dar encaminhamento ao serviço para depois levar a filha à creche, mas os compromissos o acabam envolvendo até por volta das 18 horas
Na hora de ir embora, abre o carro e depara com a filha sem sinais vitais. Foram cinco horas trancada no carro exposto ao sol
Desesperado, o pai arranca em direção ao Pronto Atendimento da Unimed, na Rua Tupi, onde é constatada a morte
A mãe da criança, que também estava no trabalho, em outra firma, chega depois ao plantão médico e entra em choque. “Tadinha”, repete ela, com a filha caçula no colo
“A criança estava de boquinha aberta, como sinal de quem se esforçou para conseguir respirar”, descreveu a conselheira tutelar Gislaine Pires
O corpo é encaminhado ao Posto Médico-Legal de Novo Hamburgo para a necropsia, que atestará a causa da morte
O pai é levado à Delegacia de Polícia para registro da ocorrência
Ele responderá em liberdade por homicídio

ATENÇÃO
O QUE PODE ACONTECER
Presa dentro de um carro, a criança fica exposta a temperaturas altas e não tem resistência contra a desidratação. Se ficar ali por muito tempo, pode ter danos cerebrais e até morrer
Ficar preso dentro de um carro pode parecer uma bobagem para um adulto, capaz de gritar, pedir socorro ou até de quebrar os vidros, se for necessário. Para uma criança, principalmente as mais pequenas, no entanto, isso pode ser fatal
Incapazes de pedir socorro, os pequenos são ameaçados não apenas pela falta de ar, mas principalmente pela desidratação causada pelas altas temperaturas de um veículo fechado
As crianças normalmente já são mais sensíveis à perda de água do corpo e transpiram muito mais que um adulto. É por isso, por exemplo, que os médicos insistem tanto no uso de soro caseiro quando elas sofrem com diarréias e vômitos
Mesmo deixar aquela “frestinha” de janela aberta não é suficiente. Temperaturas acima dos 40ºC já são o suficiente para prejudicar a saúde dos pequenos. Em um dia de sol forte, a temperatura pode passar dos 50ºC dentro de um carro fechado e estacionado ao sol
Os estacionamentos são um lugar onde há alta concentração de monóxido de carbono, gás altamente tóxico que pode causar mal estar, vômitos e asfixia. Mesmo carros estacionados em garagens não podem abrigar crianças trancadas por muito tempo
Crianças menores podem asfixiar também por causas mais comuns. Assustadas ao se verem sozinhas por tanto tempo, elas podem sufocar com o próprio choro. Se passarem mal, podem engasgar com o vômito
“Ele vai responder por homicídio”
O delegado da 1.ª DP de Novo hamburgo, Nauro Osório Marques, acompanhou o registro da ocorrência ontem à noite e antecipou que o pai responderá por homicídio culposo ou com dolo eventual. “No primeiro tipo de enquadramento é quando não houve a intenção de matar e, na segunda hipótese, o entendimento é que o acusado, mesmo sem a intenção, assumiu o risco ao deixar a criança ali”, explica. Segundo Nauro, o pai deve ser ouvido hoje. “Ele vai ser o primeiro a querer falar a verdade, até pelo remorso de ter cometido o erro.Vamos apurar as circunstâncias e aguardar o laudo da necropsia para fazer o enquadramento.” Se houver indiciamento por dolo eventual, o pai pode ir a júri popular.

Distorções de valores diante do dia a dia
O psicólogo clínico Eduardo Pilger afirma que essa fatalidade pode ser resultado do nosso dia a dia cada vez mais corrido. “É inestimável o amor de um pai e de uma mãe por um filho. Mas situações como essa nos mostram como nosso modo de vida está afetando essas relações”, analisa Pilger. Ele ressalta que, como psicólogo, pode ver diariamente pequenas manifestações de como isso vem aumentando, onde muitas pessoas colocam outros valores acima da própria família. “Tem pessoas que ficam doentes por trabalharem demais e acabam se prejudicando. Esses tipos de distorções de valores são comuns”, explica.
A psicóloga e professora da Unisinos Carolina Lisboa afirma que entre os tantos casos que já aconteceram também podem ser levantadas as hipóteses de negligência, maus-tratos e de doença mental, analisando cada fato. Ela afirma que a primeira hipótese é que o pai possa ter realmente esquecido o filho, principalmente se ele não está acostumado a carregar a criança todos os dias no carro. “É hipótese de senso comum, que muitas vezes não é aceita, pois ninguém consegue se colocar no lugar do pai que esquece o filho.”

Colaborou: Laura Píffero

POR:LEONARDO MULLER-712

Anúncios

DJ é morto com tiro na cabeça no bairro Amaral Ribeiro, em Sapiranga

Estou de  Luto. Ontem aconteceu um acidente aqui na minha rua e o motorista morreu. Que BOM que EU não estava perto. Mas infelizmente, pude ver o socorro e também vi o rapaz morto no colo da provável namorada, e caroneira do veículo. Desejo muita força para essa familia.

Está aí a reportagem:

Sapiranga – Um DJ de uma casa noturna de Sapiranga foi morto na noite desta sexta-feira (8) com um tiro na cabeça. Segundo a Brigada Militar de Sapiranga, a vítima estava em uma Parati, na Rua Major Bento Alves, bairro Amaral Ribeiro, quando um veículo parou ao lado e uma pessoa disparou quatro vezes contra ele. Cezar Cassio dos Santos, 24 anos, foi atingido por um disparo na cabeça. A caroneira,  não foi alvejada . O DJ foi encaminhado para o Hospital de Sapiranga onde veio a falecer. Ninguém foi encontrado.

Agradeço a Reportagem do JORNAL NH ONLINE, pois pedi via Twitter que eles fizessem essa reportagem,  e eles fizeram.

Link da reportagem:http://www.jornalnh.com.br/site/noticias/policia,canal-8,ed-6,ct-502,cd-313839,midia-,gal-.htm%5D

POR: LEONARDO MULLER